A igreja Colombiana

Guiné-Bissau: Crise política está a piorar a vida da população
13/03/2018

A igreja Colombiana

Por Mariana Shimabuco

Em agosto de 2014 chegamos na Colômbia para ajudar famílias vítimas da violência causada pelo conflito armado. Atualmente o país ocupa o 49º lugar no mundo em perseguição religiosa. Na realidade, a perseguição ocorre mais por motivos geográficos e políticos. Geográfico por acontecer em determinadas regiões do país e político pelo fato da Igreja assumir o papel social nestas comunidades ameaçadas atuando contra a filosofia de medo imposta por esses grupos.

Este clima severo de medo faz com que milhares de pessoas fujam de suas regiões migrando para outras cidades. Isso faz da Colômbia o 2º país no mundo em números de refugiados, com mais de 7 milhões de pessoas, sendo de 1 milhão de cristãos.

O mais interessante é notar como a igreja tem crescido mesmo em meio a esta perseguição, tornando-se cada vez mais relevante nestas regiões. Esse avanço é fruto do trabalho de verdadeiros homens e mulheres da fé, que mesmo sob ameaças continuam a pregar o evangelho em aéreas remotas e de difícil acesso, levando esperança e amor. Temos a oportunidade de acompanhar e conhecer a pastores e líderes de igrejas que vivem nesta situação.

Como organização, desenvolvemos projetos de microcrédito e desenvolvimento comunitário para famílias cristãs refugiadas. Hoje já são 14 projetos entre granjas, criação de porcos, chocolate em pó entre outros pequenos negócios, que possibilitam a essas famílias recomeçarem suas vidas dignamente. Também realizamos brigadas médicas,  assistência emergencial, ações de natal com crianças, treinamento e discipulado, etc. Durante esses anos acompanhamos muitas famílias, dividindo suas dores e alegrias. Nos sentimos privilegiados em fazer parte do que Deus tem feito nesse lindo país. Você também pode fazer parte dessa história, ore e pergunte a Deus sobre como deve se envolver.

Sobre a autora: Mariana Shimabuco é Coordenadora de Projetos MAIS Colômbia.

CLIQUE E SAIBA MAIS SOBRE A IGREJA NA COLÔMBIA!

Fonte: Povos e Língua